Conheça Nossa História

Sobre Nós

Futuro Orientado

'ORION' É
uma família

Trabalhar em equipe é saber ser parte de um todo. É como ser uma parte fundamental de um corpo, mas sabendo que sem corpo essa parte de nada serve. Ter a capacidade de trabalhar bem em equipe mostra humildade, tolerância, inteligência emocional e companheirismo.

Ninguém é nada sozinho. E se queremos fazer algo grande, importante e que nos traga orgulho, precisamos fazer em equipe. Alcançar o sucesso com um esforço coletivo é muito mais prazeroso.

Trabalhando em equipe ficamos mais motivados e comprometidos, afinal uns dependem dos outros, e todos são responsáveis pelas falhas e pelo sucesso. Por isso, o trabalho em equipe deixa todos mais fortes.

O trabalho em equipe é união e amizade em prol de um bem e de um objetivo comum, por isso é muito mais nobre do que uma batalha individual e o que nos torna uma verdadeira família.

01

Profissional

Cada indivíduo tem suas dificuldades em particular, e ter empatia para compreender isso, oferecendo assim um atendimento personalizado e eficiente é o principal pilar do nosso atendimento.

02

Foco

A utilização de sistemas informatizados, por exemplo, facilita a organização e o acesso dos dados, além de viabilizar um atendimento mais eficiente. 

03

Seriedade

Para profissionais da área da saúde, assim como demais áreas que cuidam das pessoas e da segurança delas, a ética é uma questão imprescindível.

 

Marca em 2001

Loja em 2007

Lembrando o Passado

Desde 2001

Em 2001 o nicho esportivo podia ser explorado, já que as indústrias farmacêuticas, por regras da vigilância sanitária, não tinham permissão para fabricar esse tipo de produto. Para ter acesso a tais suplementos, os consumidores, geralmente, recorriam à importação. No entanto, a norma permite que farmácias de manipulação criem essas fórmulas, levando a Órion a se especializar no ramo. “Com nossos corpos clínico e técnico, fomos a primeira farmácia de manipulação no Brasil especializada no segmento de nutrição esportiva. Nossa suplementação é feita de forma personalizada, especialmente para a individualidade biológica de cada cliente”, aponta André Alves da Silva.

Comunicação É A Chave

Atendimento Personalizado

Farmácia de Manipulação

Os Diferenciais da Órion

Todas as pessoas que procuram suplementos — principalmente na área de enfoque da ÓrionLab, que é a esportiva — observam que existe uma certa escassez de variedade no ramo de produtos industrializados. Isso acontece porque esse tipo de produto é produzido com quantidades preestabelecidas de determinado nutriente — o que, em muitas vezes, não é o ideal para as pessoas.

Pensando nisso, a ÓrionLab fornece aos seus clientes fórmulas para cada individualidade biológica, contribuindo de maneira mais efetiva para o alcance dos resultados almejados. Afinal, os medicamentos desenvolvidos na farmácia de manipulação têm concentrações e fórmulas que, na maioria das vezes, não são disponibilizados dentro da indústria farmacêutica convencional.

Após a consulta com um profissional especializado na área – podendo ser nossos próprios farmacêuticos – será feita uma prescrição exclusiva, contendo exatamente tudo o que a pessoa precisa. Isso é extremamente importante para que se obtenham ganhos e, acima de tudo, não haja prejuízo para a saúde.

Outra grande vantagem é o atendimento online de alta performance. Inicialmente, fazer o pedido é extremamente fácil, visto que a receita pode ser enviada online, por meio do site da empresa. Nele, há um centro de atendimento com todos os meios de comunicação integrados em uma plataforma, garantindo mais velocidade no atendimento.

Após a compra, por meio de monitoramento via SMS o paciente pode acompanhar em qual estágio de produção está a sua medicação, receber avisos com antecedência sobre sua entrega ou quando sua formulação vai estar disponível para retirada na loja. Além disso, é possível receber o código de rastreio quando o medicamento for enviado via Sedex.

Entre tantas facilidades, é importante não esquecer de citar a economia, visto que os suplementos e remédios manipulados têm um valor de mercado muito mais atrativo do aqueles comercializados em farmácias alopáticas.


Em média, o valor final pode chegar a ser 40% a 50% mais barato. Afinal, nesse caso trabalha-se diretamente com os princípios ativos, sem dar importância a marcas e laboratórios.

Como a ÓrionLab se preocupa com a satisfação de seus clientes, é feita uma pesquisa pós-venda para a detecção de falhas. Assim, todos os erros podem ser aprimorados para que os clientes sejam mais bem atendidos.

Conhecer Um Ao Outro

Saber e deixar registrado todas as particularidades individuais sustenta a satisfação do cliente

Entendendo Seus Direitos

Vamos além dos direitos dos consumidores, nosso propósito é encantar o cliente pela experiência Órion

Determinando Seus Objetivos

Somos seu parceiro nas suas metas.
Seu metabolismo e sua individualidade biológica são variáveis, as doses dos medicamentos não. Conte conosco e com seu médico, em conjunto teremos mais sucesso!
Clientes Satisfeitos
97%
Produtos e Embalagens
92%
Prazo de entrega
98%

Nós O Ajudaremos Em Cada Etapa Do Caminho

A Farmácia de Manipulação tem em sua essência estratégias para adesão ao tratamento. Se a cápsula é grande demais, sabor é desagradável, etc. Iremos propor outras formas.

O Que Você Precisa?

Nós Trabalhamos Duro Em Todos Os Campos

Possuímos salas de manipulação dedicadas, dotadas cada uma com antecâmara, para a manipulação de cada uma das classes terapêuticas a seguir – hormônios e citostáticos, com sistemas de ar independentes e de eficiência comprovada. (RDC 21/09)

Citostáticos

Sala com pressão negativa para não haver contaminação cruzada
Reproduzir vídeo
"Dizem que o tempo muda as coisas, mas é você quem tem de mudá-las.”
Andy Warhol

Nossa Equipe De Especialistas Está Aqui Para Ajudá-Lo

Escreva para eles agora mesmo, em alguns momentos responderemos sua mensagem

Coisas Importantes Que Você Deve Saber

Perguntas E Respostas

Produtos manipulados em farmácias são classificados como preparações magistrais ou preparações oficinais, estando submetido às regras dispostas na Lei n.º 5.991/1973 e na RDC n.º 67/2007. Dessa forma, mesmo que sua finalidade seja a de fornecer nutrientes e substâncias bioativas ao organismo, não cabe sua classificação regulatória como alimento e não é aplicável a legislação sanitária da área, incluindo o Decreto -Lei n.º 986, de 21 de outubro de 1969, e seus regulamentos.
As farmácias de manipulação devem estar regularizadas nos órgãos de vigilância sanitárias locais, por meio da licença sanitária específica para esse tipo de atividade, e também por meio da Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE), expedida pela Anvisa. Caso a farmácia manipule substâncias sujeitas a controle especial, deve possuir ainda Autorização Especial.

As farmácias que apenas elaborem preparações magistrais e oficinais,
mesmo que essas tenham como objetivo fornecer nutrientes e substâncias
bioativas, não precisam de licença para a área de alimentos.

Base legal – RDC n.º 67/2007:


5.1. As BPMF estabelecem para as farmácias os requisitos mínimos para a aquisição e controle de qualidade da matéria-prima, armazenamento, manipulação, fracionamento, conservação, transporte e dispensação de preparações magistrais e oficinais, obrigatórios à habilitação de farmácias públicas ou privadas ao exercício dessas atividades, devendo preencher os requisitos abaixo descritos e ser previamente aprovadas em inspeções sanitárias locais:


a) estar regularizada nos órgãos de Vigilância Sanitária competente, conforme
legislação vigente;
b) atender às disposições deste Regulamento Técnico e dos anexos que forem
aplicáveis;
c) possuir o Manual de Boas Práticas de Manipulação;
d) possuir Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) expedida pela ANVISA,
conforme legislação vigente;
e) possuir Autorização Especial, quando manipular substâncias sujeitas a controle
especial.

Preparações magistrais são aquelas preparadas na farmácia, a partir de
uma prescrição de profissional habilitado, destinada a um paciente
individualizado, e que estabeleça em detalhes sua composição, forma
farmacêutica, posologia e modo de usar.

Base legal – RDC n.º 67/2007:
4. Definições
– Preparação magistral: é aquela preparada na farmácia, a partir de uma prescrição de profissional habilitado, destinada a um paciente individualizado, e que estabeleça em detalhes sua composição, forma farmacêutica, posologia e modo de usar

Sim. A preparação magistral somente pode ser preparada na farmácia
mediante a prescrição de profissional habilitado, respeitando os códigos de
seus respectivos conselhos profissionais.


As preparações magistrais sujeitas à prescrição médica apenas podem ser
aviadas após uma prescrição do médico.


Para as preparações magistrais que não requeiram prescrição médica, o
farmacêutico (presente na farmácia de manipulação) poderá realizar a
referida prescrição, conforme Resolução do Conselho Federal de Farmácia
nº 586, de 29 de agosto de 2013, que regula a prescrição farmacêutica e
dá outras providências.


Prescrições realizadas por outros profissionais de saúde, como nutricionistas,
enfermeiros, farmacêuticos e odontólogos, devem respeitar os códigos de seus respectivos conselhos.


Em caso de dúvidas sobre as competências de cada profissional de saúde,
sugerimos consultar os respectivos órgãos:
– Conselho Federal de Farmácia: https://www.cff.org.br/
– Conselho Federal de Nutricionistas: https://www.cfn.org.br/
– Conselho Federal de Enfermagem: http://www.cofen.gov.br/
– Conselho Federal de Odontologia: https://website.cfo.org.br/
– Conselho Federal de Medicina: https://portal.cfm.org.br/

As preparações oficinais são aquelas preparadas na farmácia conforme
fórmula inscrita na Farmacopeia Brasileira ou nos compêndios reconhecidos
oficialmente.
Assim, essas preparações não precisam de prescrição de profissional
habilitado para serem preparadas.
Exemplos podem ser consultados no Formulário Nacional Da Farmacopeia
Brasileira 2ª edição – Revisão 02 – 2012, disponível no link:
http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/259372/FNFB+2_Revisao_2

Base legal – RDC n.º 67/2007:
4. Definições
– Preparação oficinal: é aquela preparada na farmácia, cuja fórmula esteja inscrita no Formulário Nacional ou em Formulários Internacionais reconhecidos pela ANVISA.

As preparações oficinais e magistrais podem ser manipuladas a partir das
substâncias constantes na Farmacopeia Brasileira ou em outros compêndios
internacionais reconhecidos pela Anvisa, conforme legislação vigente.


As referências internacionais reconhecidas pela Anvisa são aquelas
constantes na Resolução RDC n.º 37, de 6 de julho de 2009, que trata da
admissibilidade das Farmacopeias estrangeiras.


O item 6 – Referências da RDC n.º 67/2007 também destaca os compêndios
técnicos adicionais que podem ser observados, quando da preparação
dos produtos magistrais.


As quantidades das substâncias presentes nas fórmulas são aquelas
prescritas pelo profissional de saúde habilitado, no caso de preparações
magistrais, ou da Farmacopeia Brasileira ou compêndio de referência, no
caso de preparações oficinais.

Base legal – RDC n.º 67/2007:
4. Definições
– Preparação magistral: é aquela preparada na farmácia, a partir de uma prescrição de profissional habilitado, destinada a um paciente individualizado, e que estabeleça em detalhes sua composição, forma farmacêutica, posologia e modo de usar.

– Preparação oficinal: é aquela preparada na farmácia, cuja fórmula esteja inscrita no Formulário Nacional ou em Formulários Internacionais reconhecidos pela ANVISA.


7.1.3. As especificações das matérias-primas devem constar de no mínimo:
a) Nome da matéria-prima, DCB, DCI ou CAS, quando couber;
b) No caso de matéria-prima vegetal – nome popular, nome científico, parte da planta utilizada;
c) Nome e código interno de referência, quando houver;
d) No caso dos insumos farmacêuticos ativos e adjuvantes – referência de monografia da Farmacopeia Brasileira; ou de outros compêndios internacionais reconhecidos pela ANVISA, conforme legislação vigente. Na ausência de monografia oficial pode ser utilizada como referência a especificação estabelecida pelo fabricante.
e) Requisitos quantitativos e qualitativos com os respectivos limites de aceitação;
f) Orientações sobre amostragem, ensaios de qualidade, metodologias de análise e
referência utilizada nos procedimentos de controle.
g) Condições de armazenamento e precauções.
h) Periodicidade, quando couber, com que devem ser feitos novos ensaios de cada
matéria-prima para confirmação das especificações farmacopeicas.

Não. Para preparações magistrais e oficinais não se aplicam o disposto nos
regulamentos técnicos da área de alimentos, incluindo os constituintes e
limites mínimos e máximos de nutrientes e substâncias bioativas.
Os requisitos de composição a serem observados para esses produtos são
os detalhados na pergunta anterior de número 7.