Entenda como funciona a reposição hormonal masculina

Ter uma boa qualidade de vida deveria ser uma preocupação em todas as fases da vida. Afinal, com o passar dos anos, o corpo pode sofrer com algumas alterações naturais. Por isso, é fundamental encontrar uma maneira de se preparar para elas.
reposição hormonal masculina
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Pensando nesse assunto, desenvolvemos este artigo para explicar como funciona a reposição hormonal masculina. Durante a leitura, você também entenderá quando ela é necessária, o que acontece e o que precisa ser feito. Boa leitura!

O que é a reposição hormonal masculina?

reposição hormonal masculina
São muitas as dúvidas e os tabus que recaem sobre esse tema. Em termos bastante resumidos, ela é um tratamento indicado para casos de andropausa — distúrbio hormonal que surge nos homens a partir dos 40 anos.

A reposição, como o próprio nome sugere, consiste no ato de repor, por meio de remédios, os hormônios cuja produção natural diminui. Nesse contexto, ocorre no corpo masculino a queda de testosterona, começando a partir dos 30 anos de idade, em média.

A procura pela reposição se dá quando há uma baixa produção desse hormônio, que está plenamente associada a:

  • diminuição da libido;
  • ganho de peso;
  • aumento da irritabilidade;
  • queda de qualidade do sono;
  • perda de pelos;
  • dificuldade em manter a ereção.

Quando ela é necessária?

reposição hormonal masculina
Isso varia muito de acordo com fatores genéticos e biológicos em geral. No entanto, pode-se dizer que a situação se agrava a partir dos 40 anos de idade, embora a redução de testosterona comece aos 30.

Durante esse período inicial, a reposição sintética não é necessária, já que a queda hormonal não é significativa. Agir preventivamente, nesse caso, não é uma boa ideia, já que o corpo pode ser prejudicado.

Para saber se existe uma real necessidade de fazer a reposição, o mais indicado é procurar um médico — urologista, de preferência — e fazer um exame de sangue para verificar os níveis de testosterona no sangue.

Como acontece a reposição hormonal masculina?

reposição hormonal masculina
Ela pode se dar de várias maneiras: do uso de adesivos ou géis na pele à ingestão de comprimidos e suplementações. Há, ainda, indicações de medicamentos injetáveis.

O tratamento está sujeito a inúmeras variações segundo as necessidades específicas de cada caso. Não à toa, o acompanhamento de um profissional é indispensável.

Como fazer a reposição?

Em geral, os médicos recomendam a busca por uma farmácia ou laboratório de manipulação. Entre os medicamentos mais indicados estão:

  • gel de testosterona;
  • injeções de compostos de testosterona, cipionato ou undecanoato de testosterona;
  • adesivos ou implantes de testosterona;
  • comprimidos de oxandrolona, estanozolol, undecanoato de testosterona e afins;
  • remédios naturais.

Enfim, vale ressaltar que, embora essas sejam as medicações mais comuns, é imprescindível contar com a recomendação médica para saber quais delas tomar, a frequência e a quantidade ideais.

Apenas os exames analisados por um profissional qualificado podem dizer se é necessário repor hormônios e como isso deve ser feito.

A reposição hormonal masculina é um assunto complexo e, por isso, deve ser encarada com o máximo de seriedade e conhecimento técnico.

Se você gostou do texto, aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais e não se esqueça de marcar os amigos e familiares!

9 respostas

  1. A dieta com baixo carboidrato e treinamento de musculação intenso podem afetar a libido masculina? Parabéns pelo texto!

    1. Olá Sérgio, sua pergunta é bastante interessante e irei responder de forma aberta.
      A libido tem ligação direta com a testosterona livre e a produção deste hormônio natural requer certos nutrientes, logo a dieta interfere na libido. Não acho que uma dieta pobre em carboidratos, apenas faça este estrago.
      Já o treino intenso de musculação provoca um outro hormônio: o cortisol. Ele sobe rapidamente e consequentemente derruba os níveis de testosterona, por seu um hormônio antagônico dela.
      É necessária a avaliação de outras variáveis.
      Para você que lê este comentário, contribua, faça suas perguntas e escreva!

  2. SERGIO BERTIOLI é necessária, como o André citou acima avaliar algumas variáveis, nem sempre baixo libido esta relacionado a uma queda de testosterona, exemplo disso é a deficiência do Boro que causa um aumento da proteína SHBG no sangue. Tal proteína é responsável pelo transporte de testosterona para os tecidos e sempre que a testosterona esta ligada a essa proteína ela se torna inativa. Outro exemplo bem comum é o tipo de atividade profissional da pessoa que pode interferir no balanço hormonal, geralmente aumentando outros hormônios que prejudicam a libido. Citei esse exemplo para ver que é mais complexo do que parece e justificando assim as muitas variáveis que podem interferir na libido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os 5 Artigos Mais Lidos

Os 5 Artigos Mais Comentados

Receba as Novidades