Entenda quando indicar a suplementação para os clientes

quando indicar a suplementação para os clientes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Na nutrição esportiva, nem todo personal trainer ou profissional de Educação Física sabe exatamente quando indicar a suplementação para os clientes. Isso acontece porque, apesar de entender o papel que ela pode desempenhar, alguns fatores contribuem para que ele fique em dúvida.

Foi pensando nisso que preparamos este artigo com dicas importantes e outras informações relevantes sobre o tema. Boa leitura!

Qual a importância da suplementação?

Muito se fala a respeito dos suplementos alimentares. Geralmente, os comentários ou são no sentido de tratá-los como uma solução para todo e qualquer caso ou são feitos para apontá-los como grandes vilões que não devem ser usados em hipótese alguma.

Para falar do assunto com maior profundidade, entrevistamos Ney Felipe Fernandes, nutricionista e mestre em Biologia Molecular. Ney também fundou a metodologia Nutrição Avançada e é autor do livro “Nutrição esportiva: mitos e verdades” (2018, editora Phorte).

Segundo o especialista, “a suplementação é muito importante, mas, como o nome já diz, deve ser um complemento de uma dieta previamente estruturada”. Ele também comenta que “às vezes, os praticantes de atividades físicas erroneamente veem nela o alicerce do resultado. Na verdade, ela deveria ser ‘a cereja do bolo’, justamente para utilizarmos em períodos estratégicos e específicos”.

Sendo assim, de pouco adianta conferir à suplementação alimentar um papel que ela não tem. O mais fundamental de tudo é inseri-la em uma dieta desenvolvida de acordo com as necessidades nutricionais dos seus clientes.

Como avaliar a necessidade de suplementação?

Diversos profissionais encontram essa dificuldade. Afinal, como avaliar se um cliente precisa ou não de suplementos? Como entender a manifestação dessa necessidade fisiológica e oferecer as melhores indicações?

Para Ney, não é preciso esperar muito tempo para fazer essa constatação. “Quando atendemos o paciente, já na anamnese ou no recordatório, podemos identificar determinadas carências nutricionais. Nos exames bioquímicos, também podemos ver se há algum déficit micronutricional”, explica.

Isto é, converse com seu cliente e procure entender o histórico nutricional dele. Se necessário, encaminhe-o para um nutricionista. No entanto, tenha em mente que a necessidade de suplementação não está relacionada somente à carência de nutrientes. “Ela também pode ter um caráter ergogênico, ou seja, ampliar a performance ou a capacidade de recuperação do indivíduo”, observa Fernandes.

Você também pode fazer a avaliação, mas é preciso ter cuidado com restrições patológicas e afins na hora de indicar os suplementos. Por isso, em boa parte dos casos, é preferível recomendar que os clientes também procurem profissionais da área de nutrição.

Que argumento usar para convencer o cliente do investimento?

Se você (ou um nutricionista) indicou a suplementação, agora é hora de convencer o cliente a aceitar a decisão. Por já pagar personal trainer e ter outros gastos cotidianos, é provável que ele ofereça alguma resistência e tenha dificuldade de enxergar a importância de contar com a suplementação.

Porém, como é imprescindível mostrá-lo a relevância dos suplementos para chegar aos resultados almejados, a dica é apresentar essa demanda como um investimento (e não como um custo qualquer). Outra sugestão é fazer um paralelo com os alimentos saudáveis — que às vezes são mais caros — para que ele possa entender melhor.

Quais impactos a suplementação gera no treino?

Os impactos nos exercícios são bastante variáveis. Uma vez avaliada a condição da pessoa, deve-se alinhar os objetivos que ela tem à combinação entre treino e suplementos nutricionais. Assim, quando indicar a suplementação para os clientes, você já saberá o efeito que aquilo terá sobre a performance, recuperação e outros aspectos.

Nesse contexto, Fernandes pondera que “alguns suplementos podem melhorar a tolerância à acidose — a beta-alanina, por exemplo — gerando mais performance. Outros, como a creatina, podem aumentar a hidratação e o volume muscular”.

Mas não para por aí. “Também há aqueles que podem atuar na imunossupressão que o treino naturalmente causa. É o caso da glutamina. Ainda é possível utilizar carboidratos em gel como otimizadores metabólicos em treinos de endurance“, comenta o profissional.

Como você provavelmente notou, as considerações feitas dão uma dimensão das alternativas e impactos que a suplementação pode causar nos treinos e no desempenho de seus clientes.

O especialista ainda aponta essa diversidade como algo a ser devidamente analisado pelos personal trainers. “Há uma ampla gama de suplementos, e a aplicabilidade deve ser coerente com o biotipo do paciente e o esporte que ele pratica”, completa.

Quando o suplemento é contraindicado?

Como se trata de uma questão relativa à saúde, nem tudo é exato e todos os detalhes precisam ser observados com o máximo de cuidado.

Para Ney Felipe, as contraindicações existem. “Alguns pacientes com histórico de complicações renais, por exemplo, devem evitar o alto consumo de suplementos com vitamina C, cujo metabolismo produz oxalato de cálcio nos rins. Pacientes diabéticos ou pré-diabéticos precisam evitar suplementos insulinotrópicos etc. Aqueles que têm arritmias cardíacas devem ficar longe dos estimulantes”, alerta.

Portanto, é mais do que essencial ter cautela e entender o contexto. Como já destacamos nos tópicos anteriores, converse bastante com cada cliente e tente entender se ele tem hábitos saudáveis, como é sua dieta, o histórico de doenças e assim por diante.

Como fazer a indicação de suplementos?

Você já compreendeu a importância de analisar muito bem as particularidades da clientela, certo? Ainda assim, como indicar a suplementação para os clientes?

Depois de entender completamente o contexto e o histórico de seus clientes, indique uma suplementação que complementará a dieta que eles já têm. A ideia é que os impactos ajudem no treino e na recuperação, acompanhando o objetivo desejado — emagrecimento, ganho de massa, entre outros.

Não se esqueça de sempre ressaltar a importância de conversar com diferentes profissionais da saúde habilitados, como médicos e nutricionistas. Avaliações médicas e nutricionais são indispensáveis em alguns casos, principalmente na detecção de contraindicações e afins.

Os mitos relacionados à suplementação são comuns em virtude da popularização do fitness. Eles também são consequências dos exageros que muitas pessoas cometem em busca de status e de um corpo que corresponda aos padrões impostos pela mídia e a sociedade.

Portanto, além de saber quando indicar a suplementação para os clientes, explique que ela não é nem vilã nem heroína, mas precisa ser usada com consciência e responsabilidade.
E aí, gostou do texto? Se você quer saber mais a respeito de suplementação alimentar ou ficou com alguma dúvida, fale com a gente. Temos certeza de que poderemos ajudar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os 5 Artigos Mais Lidos

Os 5 Artigos Mais Comentados

Receba as Novidades